10 de setembro de 2010

O Homem que Esperava

Quanto tempo faz? Meses? Anos? Não importa. Desistir disso seria desistir de mim. Assim, fecho os olhos e escondo meu rosto nas palmas de minha mão, me perguntando o motivo de você não estar aqui, sendo que você sempre esteve. E fingindo que o telefone está tocando.

E eu levanto, atendo e é você sorrindo – porque eu conheço sua voz quando você está sorrindo – dizendo que “cheguei”. E, na mesma hora, eu descubro que tudo o que vivi esperando por você não existiu, descubro que minha vida começou agora, nesta ligação.

Ou não.

Porque o telefone não tocou, eu apenas imaginei. Ele não tocou ou ele ainda não tocou. Não sei. Sei. Ele ainda não tocou. Porque eu sei que ele vai tocar. Eu sei que você vai aparecer. Eu sei e sempre soube que um dia eu precisarei deixar tudo para trás e ir ao seu encontro, como estamos ensaiando há meses. Como estamos escondendo há anos.

E, quando ele tocar, tudo será diferente. A risada da menina terá se transformado no sorriso de mulher. E eu, homem, maduro e adulto, cairei de joelhos em adoração a ele, chorando e perguntando “onde você estava quando eu mais precisei?”. Mas eu vou te perdoar na mesma hora, porque eu ainda vou precisar do seu sorriso. Mais que nunca.

Esqueça tudo o que vivemos até hoje. Esqueça até mesmo de mim. Nossas memórias, mesmo as mais doces, não existem. Elas começarão assim que você me ligar. Assim que meu telefone tocar.

E eu já me lembro delas.

5 leitores:

Alexandre disse...

Todos esperamos esse telefonema...
ótimo texto.

Ana disse...

Saber esperar é uma dádiva muito difícil de ser alcançada.

Mari Hauer disse...

Em prantos, depois de ler seu texto, fiquei pensando nas minhas esperanças, em tudo aquilo que acredito. E às vezes me dá vontade de desistir mas imaginar que o meu telefone vai tocar e que minhas mais belas memórias começarão a partir disso me dá forças pra continuar esperando...

Eu, mulher, madura, independente, adulta, vou voltar a ser menina de novo e ele vai saber quando eu estou sorrindo ao telefone.

Me enxergo no mesmo lugar que esse cara aí do texto. Com a diferença que não vou ter que perdoar ninguém... :)

Um beijo, lindo texto!

Talita disse...

lindo...
lindo mesmo...

espera q nos move no caminho...

Anônimo disse...

imparato molto

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates