13 de dezembro de 2013

Adolescência - Parte I



I
 
Assim que o bilhetinho dobrado caiu em sua mesa, Mateus rapidamente o escondeu sob o caderno.

Não precisava abri-lo imediatamente, pois já sabia o que estava escrito no papel.

Além disso, toda vez que recebia um bilhetinho na sala de aula, imediatamente era dominado pela certeza de que os outros alunos da classe haviam percebido, e estavam apenas esperando ele desdobrar o papel para começar a gritar que ele recebeu um bilhete, que está apaixonado, que está namorando. Já havia acontecido antes com outros garotos, e Mateus nunca conseguiu imaginar o que faria se tivesse sido com ele.

Com o papel bem escondido, fingiu que estava prestando atenção na aula.

Teve certeza de que o professor havia percebido o bilhetinho caindo em sua mesa, mas não se importou. De todos os professores, o Wagner era o mais legal e não se importava com essas coisas. Todos os professores deviam ser como ele. Mas a maioria era como o Celso, que sempre que descobria um bilhetinho rodando pela sala, confiscava o papelzinho e o lia em voz alta, fazendo a classe inteira gargalhar e deixando os autores das pequenas mensagens querendo sumir do planeta.

Quando teve certeza de que havia esperado tempo suficiente para ninguém mais estar prestando atenção nele, puxou o papelzinho para baixo da carteira e o desdobrou. Imediatamente, reconheceu a letra de Júlia. Eram duas perguntas, uma em cada linha:

Hoje?
Em casa?

Dobrou rapidamente o papelzinho e olhou para trás. Júlia se sentava logo atrás dele, na fileira à sua esquerda. Ela estava olhando para ele, ansiosa. Mateus rapidamente fez que sim com a cabeça e virou-se para frente, torcendo para ninguém ter visto nada. E continuou olhando para o professor, fingindo que nada havia acontecido.

Abaixou os olhos e fingiu que estava escrevendo no caderno. Não queria olhar para ninguém, pois tinha certeza de que se alguém reparasse nele, naquele momento, perceberia imediatamente tudo o que ele estava sentindo.


II

Quando o sinal da última aula tocou, Mateus apanhou seus cadernos e saiu da sala. Estava descendo as escadas quando foi alcançado por Lucas.

Eram grandes amigos e estudaram juntos desde a infância. Mas como Lucas havia repetido naquele ano, não estavam mais na mesma sala. Assim, podiam conversar somente nos intervalos das aulas e no caminho de volta para casa, já que ambos moravam no mesmo quarteirão e iam embora juntos (de manhã Mateus ia sozinho para a escola, pois Lucas sempre perdia a hora).

Foi Lucas quem puxou assunto.

- Eu preciso ir ao shopping depois do almoço. Quer ir comigo?

- Não posso. Vou sair com minha mãe.

Mateus não queria mentir para o amigo, mas também não queria falar que iria se encontrar com Júlia. Não achava que devia esconder algo de Lucas, mas se colocasse Júlia na conversa, começaria a ser bombardeado por perguntas. E Mateus não conseguiria responder, porque não conseguia explicar nem mesmo para si próprio o que havia entre ele e a garota.

Havia percebido isso alguns dias atrás. Estavam voltando para casa. Haviam acabado de passar pela padaria quando Lucas perguntou se ele e Júlia estavam namorando. Mateus tentou fingir surpresa e respondeu apenas que “claro que não!”, mas imediatamente percebeu que usou o mesmo tom que uma pessoa acusada de um crime usaria para se defender, e correu para mudar de assunto.

Agora, sempre que o assunto chegava perto de Júlia, Mateus tomava cuidado para fazer a conversa correr em disparada para o lado oposto.

Depois que se despediu do amigo, ficou pensando sobre isso enquanto almoçava. Todos na escola desconfiavam que Mateus e Júlia fossem namorados. Ninguém além de Lucas havia perguntado algo a ele, mas Mateus percebia os olhares, os cochichos e as risadinhas dos outros alunos quando passava pelo pátio.

E, quanto mais pensava, mais se convencia de que a resposta sincera para a pergunta que Lucas havia feito alguns dias atrás, se ele e Júlia estavam namorando, teria sido “não sei”.

Ele e Júlia não estavam namorando. Não que Mateus fosse especialista no assunto – nunca havia namorado antes – mas sabia, com certeza que não eram namorados. Nunca havia acontecido nada entre eles, e qualquer pessoa que já viu um filme ou novela (e Mateus já havia assistido a ambos) sabia que para estar namorando, era preciso se beijar. Claro que as pessoas nas novelas eram adultas, e Mateus ficava imaginando se quando ele se tornasse adulto as coisas seriam finalmente mais fáceis.

Ou, pelo menos, mais claras.

Pois sabia que ele e Júlia não eram namorados. Mas, por outro lado, Mateus não fazia ideia do que ele e Júlia eram.

(Continua aqui)

6 leitores:

Winnie Affonso disse...

"Mateus ficava imaginando se quando ele se tornasse adulto as coisas seriam finalmente mais fáceis"
Só piora, Mateus...

Gostei desse começo :)

Fagner Franco disse...

Levemente arrependido de fazer parte do grupo que sugeriu o texto ser dividido, porque estou agora não levemente ansioso.
Conseguiu, discretamente, demonstrar muito sentimento tipicamente adolescente. Deu pra sentir o frio na barriga que Mateus sentiu quando o bilhete caiu em sua mesa ou quando viu o que estava escrito.

Guilherme disse...

Excelente Rob, excelente introdução, to aqui imaginando os rumos que o texto vai seguir.

Ansioso pela continuação.


Marina disse...

Concordo com a Winnie. Só piora.

Adorei os primeiros capítulos, Rob, adorei a ideia da história, adorei o assunto "amor adolescente". Aguardo a continuação.

Beijos.

Andre F Oliveira disse...

Caramba! Deixou o texto terminar exatamente na parte que ficou mais interessante! Sacanagem, Rob! Quando sai o próximo capítulo mesmo? Parabéns!

PinkPaulaS disse...

Moço, cê esqueceu de postar o restante da história. Já sei, o PC deu tilte e você esqueceu de salvar, né? Te perdoo...

Amores adolescentes são tãaao sinceros. Uma pena nossos meninos não se interessarem mais por esse tipo de sentimento.

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates