30 de setembro de 2011

Lingerie

- Querido?

- Hum?

- Posso falar com você?

- Claro.

- Olha para mim?

- Pronto. Desculpe... Ei, nós vamos sair?

- Não, por quê?

- Então porque você está trocando de roupa?

- Não estou me trocando.

- Então porque você está só de calcinha e sutiã?

- Porque eu quero falar com você.

- Mas você precisava estar sem roupa?

- Sim.

- Você não está doente, está?

- Como assim?

- Você aparece aqui quase sem roupa e dizendo que precisa conversar. É sinal que eu vou ter que apalpar algo. Não é câncer de mama, né? Você sentiu algum caroço?

- Não é nada disso!

- Ok, mas você precisa concorda comigo. Eu apareço na cozinha vestindo cuecas e dizendo que preciso conversar com você. Aposto que você ia pensar na mesma hora que era sobre aquele meu joelho bichado.

- Não. Eu iria achar sexy.

- Oi?

- Sim, eu acharia sexy. Você não me acha sexy com esse lingerie?

- Acho. Essa calcinha fica bem em você. Era isso?

- Não. Eu quero contar uma coisa.

- Diga.

- Eu bati o carro hoje.

- Pelo amor de Deus! Quando? Você está bem?

- Mas não foi nada grave... Só arranhou a porta lá na entrada do prédio.

- Quando foi isso? Você se machucou?

- Não, não. Eu estou bem, só me assustei um pouco.

- Mas quando foi isso?

- Foi agora, quando cheguei, faz uma meia hora.

- Mas não está doendo nada? Tem certeza? Quer ir ao hospital?

- Não, estou bem. Pode ficar tranquilo.

- Mas por que você não me avisou? Você entrou em casa, me deu oi, saiu e voltou de novo!

- Então, é porque eu fui até essa loja comprar a lingerie.

- Oi?

- Sim, esta que estou usando.

- Essa calcinha é nova?

- Sim.

- Espere. Deixe eu entender. Você bateu o carro, entrou em casa, e não falou nada. Saiu, foi comprar uma calcinha, voltou, vestiu e decidiu falar sobre o carro?

- Isso.

- Maristela, você está bem?

- Claro. Eu já disse, não machucou.

- Não, não é isso. Você não poderia ter entrado em casa e falado “arranhei a pintura do carro, mas estou indo ali comprar uma calcinha e já volto”?

- É que eu queria estar sexy para você.

- Por causa do carro?

- Sim.

- Mas não tem porque ficar bonita para isso!

- Eu queria.

- Você não bateu a cabeça quando bateu o carro? É normal ficar um pouco desorientada...

- Claro que não! Estou ótima!

- Mas por que você quis ficar sexy para me contar que a porta do carro está amassada?

- Ai, Alfredo... Vem cá para perto...

- Para de esfregar as mãos nos seios! O que você está fazendo?

- Você não gosta?

- Claro que gosto, mas você acabou de bater o carro! Não faz sentido. Bater o carro te excita?

- Claro que não!

- Porque você está estranha.

- Ai Alfredo... Estou apenas seduzindo você.

- Mas e o carro? Você não está nem aí?

- Não, e você?

- Não, eu fiquei aliviado por que você não se machucou. Mas fiquei aliviado, e não morrendo de tesão.

- Ai, Alfredo... Você é tão devagar...

- Tem certeza que isso não te excita? Eu vi um filme uma vez...

- Chega, Alfredo.

- É sério. As pessoas se excitavam com porrada de carros...

- Desisto.

- Você não é assim, é? Teve aquela vez que eu dei ré e enfiei o carro num poste e você não ficou assim. Se ralar a pintura deixou você acesa desse jeito, aquela vez deveria ter deixado você em ponto de bala. Foi uma baita pancada.

- Como você é grosso, Alfredo!

- Não, eu só não entendo a lógica da coisa. Você bate o carro e vem aqui de lingerie me contar. A gente vai comemorar?

- Ai, Alfredo, esquece!

- Não, eu quero saber. É como se fosse um aniversário de casamento? Esta é a nossa primeira porta amassada do casamento, então você coloca uma calcinha nova, vamos abrir uma champagne... É isso?

- Esquece!

- Não, senhora! Quero saber de onde você tirou essa ideia!

- Não. Vou para o quarto colocar uma calça.

- Primeiro, responde. De onde você tirou essa ideia?

- Eu vi na TV, ok?

- Quê?

- Vi uma propaganda que diz que a lingerie sexy ajudar a contar notícias ruins para o marido.

- Oi?

- É. É isso. Pronto, falei! E você cortou o clima!

- Sério, Maristela... Eu não fiquei bravo porque você bateu o carro, eu fiquei preocupado com você. O carro que se foda. Pára de alisar a barriga e fazer biquinho!

- Esquece, Alfredo. Você é insensível demais!

- Não tem lógica! Quer dizer que se eu perder o emprego, tudo o que preciso fazer é entrar em casa, tirar a roupa e ficar usando uma cueca nova para te contar a novidade?

- Eu vou para o quarto!

- Isso. Eu vou descer para ver o carro e você vai colocar uma roupa.

- Pode apostar que eu vou! Você nunca mais vai me ver de lingerie!

- Para de gritar, Maristela. O que é isso? Essa nota aqui?

- Que nota?

- Maristela, você pagou oitenta paus nessa calcinha!

- Não é calcinha, é lingerie!

- Oitenta reais? Nisso aí?

- Sim! Porque eu queria que você não se magoasse com o carro!

- Eu não me magoei! Mas oitenta reais!? Com oitenta reais eu compro cuecas para uns dez anos! E ainda pego umas meias!

- Alfredo, você é um insensível mesmo.

- Não importa! Oitenta reais?

- Eu queria que você não ficasse bravo com o carro!

- Não estou bravo com o carro, mas sim com você pagar oitenta reais numa calcinha!

- Não é calcinha! É lingerie!

- Você que vai pagar a funilaria desse carro, Maristela!

54 leitores:

Natalia Máximo disse...

HUSAHUSAHSUAHSAUHSAUHSAUHSAUSHAUHSA

Se os publicitários da agência da Hope tivessem te contratado, a Hope teria menos problemas com o Conar!

Ericka Rocha disse...

hauhauhauhauha... SENSACIONAL o texto!! Adorei!! Hope, pega essa!!!

=D

www.hipervitaminose.com.br

Hally disse...

Hahahahahahaha, coitada da Maristela =/

Fernanda Fefis disse...

Depois disso.. ninguém mais vai ter problemas com a propaganda.. hahahaha.. hilário...

Ânderson Luiz disse...

HAHAHAHAHAH!!! Maravilha!

Saul Amorim disse...

bom muito bom kkkkkk

denise bottmann disse...

maravilhoso, quase chorei de rir :-))

Claudia Iarossi disse...

Estava precisando desta GARGALHADA (sim, com letras maiúsculas).

Adorei!!

Bjs

D. disse...

G-E-N-I-A-L. Só isso.

Marcio Frota disse...

SHOW DE BOLA ... estou com a mandíbula doendo de tanto rir .... ;=))))) kkkk

Cartão Laranja disse...

Muito bom ! A vida real não combina com nenhuma propaganda...rs. Já copiei para o face book. Agora minha gente o Conar é um órgão que não funciona para o que se propõe, foi feito e é dirigido por publicitários e seus veredictos só saem depois de 45 dias, isto é, depois da campanha ter acabado. É preciso acabar ou minimizar campanhas que acham que a mulher ser resume a objeto sexual. A comunicação não tem lei, é preciso regulamentar este importante segmento da sociedade, ajude a construir a regulamentação e participe desta consulta pública, veja este item diz respeito a bebidas, fumo, etc: http://www.comunicacaodemocratica.org.br/17-regulamentacao-da-publicidade-de-bebidas-alimentos-medicamentos-e-tabaco/

Victor Zacharias
http://cartaolaranja.blogspot.com

IsabelVeronica disse...

Adorei Rob! Você é fantástico!

Esta polêmica sobre a campanha da Hope já me cansou, viu. Até Marta Suplicy entrou na jogada.

Agora vou te dizer. Eu seria muito idiota de ver no humor de uma propaganda uma ofensa a mim como mulher. Se for assim, muito pior do que a propaganda é a capa do livro Ser Clara. Dá uma olhada nela.

http://twitpic.com/6t45fl

Beijos!

.a que congemina disse...

hahahahaha!

Excelente, Rob! Excelente!

Cássia Pires disse...

Eu ri muito alto! Muito mesmo. Parabéns, ficou sensacional.

Caroline Cardoso disse...

Simplesmente adorei! ;)

Rosi disse...

Muito bom, adorei.

Layla Barlavento disse...

Rindo litros! Você é sensacional Rob Gordon.

Beijos na alma!
Layla Barlavento
culpadowalter.blogspot.com

Ághata disse...

Huhauahuahuahuahuahuhaa!! Muito bom!!!

Teresa Silva disse...

Muito bom ! Desculpe a comparação, mas digno das melhores crônicas do Verissimo.

Cíntia Barenho disse...

Sensacional!! Obrigada por ajudar a problematizar o (des)serviço machista que a Hope e a tal Gisele prestam a nós mulheres.
A nossa luta é todo o dia somos mulheres e não mercadoria

uma mosca. disse...

Eu nao me senti ofendida com a propaganda, mas fiquei com uma tremenda antipatia da marca, isso sim!

Simone Schuck disse...

Muito bom! Foram as palavras sobre o assunto que mais gostei. Parabéns!

EneidaMelo disse...

Eu achei a propaganda ofensiva sim. Mas uma ironia como essa é muito melhor do que uma proibição.

Inclusive, porque no final dá a entender que a marca não vale o preço que cobra!

Friendly Cheesecake disse...

Acho ótimo q a Hope qeira s identificar c seu público-alvo d mulheres q n sabem dirigir nem usar o dinheiro q têm e q tenham o corpo cmo seu melhor argumento. Acontece q eu NÃO sou uma cliente Hope.

Maria Beatriz de Castro disse...

AMEEEEEEEEEEEI! Matou a pau, de verdade. Até coloquei link no meu blog da sua postagem. Parabéns! ^^

Nadja G. disse...

Cheguei ao blog por um twitter e me apaixonei! É bem o tipo de coisa que eu gosto, crônicas do cotidiano. Até já me arrisquei a fazer algumas no meu blog: http://seviranosquase30.blogspot.com/search/label/posts%20de%20fic%C3%A7%C3%A3o

Voltarei sempre!

Fagner Franco disse...

hauhauahuahuaahuahah
Muito boa, Rob. Cacete.
Propaganda estranha essa aí mesmo. Não levei tão a sério, quanto uns aí. Na verdade, enxergo mais como uma facada nos homens, que costumam ser tão imbecis a ponto d "sugerir" essa ideia sem querer, de que elas precisam desse tipo de "atrativo".... E mais do que tudo, confirmo com a IsabelVeronica ali em cima.
ótimo texto, ótimo humor, inteligente. Nenhuma novidade (no bom sentido)

Bau da Layla disse...

hahahahahahahahahaha!!!

juliana g. disse...

Eu havia achado a propaganda meio sem graça. Aí veio a proibição - e mesmo sendo feminista - achei a emenda pior do que o soneto, por ser desnecessária!

Mas agora com sua crônica, acho digno que tudo isso tenha existido para te inspirar! ;)

Daniela Martins disse...

Genial. Leve, simples e engraçado...

Lucas disse...

Oi? (eu adoro esse Oi?)

Diálogo a la Tarantino - vivo, engraçado, mesquinho, absurdo.

Lê Basilio disse...

casa comigo, por favooooor!

Silvia - Faça a sua parte disse...

PQP, muito boa! Rolei de rir.

Passei pra umas amigas com quem o debate sobre o comercial tá intenso, pra quebrar o gelo. kkkk

Diário de um tarja preta disse...

o Alfredo é gay.

O cara não fica exitado com a mulher de lingerie nem p. da vida pelo carro batido.

Homem q é Homem não faz isso.

Rob Gordon disse...

Diário de um tarja preta:

Discordo de você. Em primeiro lugar, não se trata de "uma mulher de lingerie", mas sim a esposa do Alfredo. Vamos partir do princípio, então, que eles têm anos de convivência e já viu a esposa usando lingerie durante todo este tempo.

Talvez eu esteja errado, mas um homem que vê a mulher de lingerie falando sobre ter batido o carro e mesmo assim ficar excitado tem alguma disfunção sexual - ou se trata de um adolescente de 14 anos e produção industrial de hormônios, o que claramente não é o caso neste texto (apenas para ilustrar, imaginei o Alfredo como alguém da mesma faixa etária que eu - tenho 36 anos).

Já a respeito dele não ficar puto da vida com a mulher ter batido o carro: na verdade, ele fica preocupado mesmo é em saber se ela está machucada ou não, antes de se preocupar com o estado do carro.

No meu ponto de vista, isso não o torna gay, isso o torna uma pessoa boa e coerente, algo que independe da opção sexual.

Aliás, uma dúvida: se ele fosse gay, existiria algum problema?

Abraços

Rob

Gustavo Gitti disse...

Genial.

Cara, espaço aberto para você escrever coisas assim no PapodeHomem.

O que me diz?

Manda pra gitti@papodehomem.com.br

Abraço!

Carolina Lages disse...

Muito bom !!!!
E olha que ainda foi um homem fofo e preocupado com a mulher.
Podia ser bem piorrr kkk
Adorei =)

Alice disse...

Ri muito! Parabéns!

Camila disse...

Hahahahaahahahahaahha, muito bom, Rob!

Marina disse...

Hhauhauahuahuhua! Rob, você não existe!

Roberta disse...

FANTÁSTICO!
PARABÉNS!PARABÉNS!PARABÉNS!

Andréa Motta disse...

Adorei seu texto! Depois de tanta polêmica burra sobre a calcinha da Gisele (ops! a lingerie), ler sua crônica foi ótimo!

Gilgomex™ disse...

sério mesmo? eu me vi converando com minha senhora neste texto... eu teria uma reação bastante parecida... especialmente na parte de pagar 80 reais numa calc... er, lingerie... Com 80 reais já ajudava a pagar o estrago...

Marcella disse...

Parabéns Rob,até que enfim alguém escreveu alguma coisa inteligente a respeito desta m ... de comercial!

Carolina Timm disse...

Muito bom! Parabéns!

Thiago Gabardo disse...

Puta texto. Daqueles de dar inveja!

:}

darkgabi disse...

isso me lembra luis fernando veríssimo. ou seja: a-may!! =]

Rosane Roehrs Gelati disse...

Realmente tem marido que não merece calcinha de R$ 80,00. Mas a crônica é muito, muuuuuuuuuuuito boa. Rosane

Maick William O. Costa disse...

GÊNIO!!!

Eli disse...

Ah, nao sei que comercial é que te inspirou, mas posso IMAGINAR! rs. boa, gostei! parabens! Ah, ja li a do filho tbm! Tal mae, tal filho...hehehe

Maria Eduarda disse...

M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O!!!!!!!!!!
Há muito tempo não ria tanto!

Amanda Panda disse...

Maravilhoso! Esse e o do filho de cueca! Genial! Parabéns!

Fernando disse...

Muito boa postagem !!!!

Moda Intima

Fly disse...

Po**rra Maristela! oitenta reais é muita grana!
kkkkkkkkkkk

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates