12 de agosto de 2009

Quase 1000 Palavras

Era para você que eu passei as madrugadas acordado, fazendo aquela coletânea das músicas que você gosta. Foi por estar com saudade de você que eu recusei jantar com meus amigos aquele dia. Eu não queria ver ninguém, queria apenas ficar em casa pensando em você. E é com você na minha frente que eu escrevo os meus textos, cada uma de suas linhas e todas suas palavras. Escrevo as piadas pensando se você vai rir, tento adivinhar qual será seu trecho preferido e coloco referências que apenas você vai entender. Foi pensando em você que eu sempre sonhei em saber tocar algum instrumento, só para ser famoso um dia e dedicar uma canção a você em cima do palco. Aliás, desde criança, quando eu criava mundos com minha caixa de lápis de cor, eu já estava pensando em você. Você era a princesa em perigo, a branca de neve, a bela adormecida. E eu sempre enfrentava o dragão e o cavaleiro negro para te salvar, e nunca pedia nada em troca. Minto. Às vezes eu sorria e pedia um abraço. E mais nada, porque eu não precisava de mais nada. Afinal, eu era o herói e tinha você. E eu ainda sou o herói de brincadeira até hoje. Brinco de “se eu conseguir atravessar a rua antes deste ônibus, vou ser feliz com ela eternamente”, ou “se eu chegar à esquina antes daquela pessoa, ela vai ficar comigo para sempre”. Por isso que às vezes eu corro na rua sem explicação. Estou correndo atrás de você. Ou melhor, estou correndo, junto com você, atrás da gente. Mas, hoje, eu também sou herói de verdade. Trabalhando, tentando pagar as contas e sendo alguém, mas o que me interessa de verdade é ser o seu alguém. Porque de nada vale ser herói se você não tem a mocinha, e eu não quero nenhuma mocinha que não seja você. Por isso que é para você eu levanto todos os dias, que eu trabalho muito, que eu não fujo de nada. Porque hoje eu sei que ser herói não é matar o dragão, ser herói é fazer você sorrir. E, se dependesse de mim, você iria sorrir a vida toda, toda a vida. Sorrir e ficar em paz. Porque quando você sorri, quem fica em paz sou eu, com a mesma sensação de dever cumprido que eu sentia quando era criança, matava o dragão e salvava você, mesmo sem saber que era você que estava no alto da torre, assustada e pedindo socorro. É exatamente a mesma sensação, e eu sei porque eu já fui criança. Cresci, virei adulto e voltei a ser criança quando te conheci. É por sua causa que hoje eu sou criança, mas também sou adulto o suficiente para saber que é maravilhoso ser criança. E é por isso que eu faço questão de ser criança. Fico inventando brincadeiras, escondendo presentes e tentando te fazer surpresas – mas só tentando, porque eu não me agüento de vontade de ver se você vai gostar e acabo contando tudo. Porque sou herói, mas não sou infalível. Por isso que eu tento melhorar a cada dia e por isso que eu pergunto sempre se estou no caminho certo. Porque eu não quero só estar no caminho certo, eu quero estar mesmo é no seu caminho, que é o certo para mim. E, quando a gente briga, e eu fico sozinho no caminho, queria ficar com raiva de você, como as outras crianças e outros adultos fazem quando brigam, mas não consigo, só consigo sentir saudade. E fico com medo de ter que voltar a ser adulto, porque ser adulto, e só ir do trabalho para casa e de casa para o trabalho, sem ter você para pensar no caminho, é chato demais. Eu sei, porque já fiz isso. Por isso que eu gosto de você em tudo e em todos os lugares. Desde a conta de luz que pago até a viagem que sonho, você está em tudo. Aliás, você não está, você é. Em todos os aposentos da minha casa, em cada decisão que eu tomo, em todos os livros que leio, em cada filme que assisto, lá está você. Aonde eu vou, lá está você. Às vezes, a saudade é tão grande que eu – seja criança, seja adulto – sou obrigado a fechar os olhos para não te ver na minha frente. Aí piora tudo, porque dentro dos meus olhos não existe mais nada, só você. E eu não tenho para onde fugir, e dá vontade de sair correndo para onde você estiver, abraçar você e pedir para você não ficar mais longe de mim, porque eu não gosto quando você está longe. Eu não gosto nem de nada quando não tem você. Porque, como eu disse lá em cima, não adianta ser herói se você não tem mocinha. Por isso que não importa quantas pessoas eu faço rir com as bobagens que digo, eu não acho graça nelas, a não ser que você esteja rindo também. E fico bravo comigo mesmo quando eu descubro que consigo fazer todo mundo rir, e acho que não consigo fazer você rir. Porque eu sempre daria tudo que tenho por somente mais um sorriso seu. Daria tudo o que tenho e deixaria de ser tudo o que sou. Menos de ser seu. Disso eu não abro mão. E é justamente por ser seu, por sempre ter sido seu, que eu decidi escrever este texto, mesmo sem saber o que dizer nele. Na verdade, eu escrevi apenas para fingir que estava falando tudo isso para você e diminuir a saudade um pouco. Mas, desta vez, eu não vou chegar em 1000 palavras. Vou deixar faltando uma, de propósito, só para o texto ficar incompleto, com novecentas e noventa e nove palavras. E vou deixar assim, de propósito mesmo, para eu me lembrar sempre que no dia em que escrevi, meu dia também estava incompleto porque estava faltando a coisa mais importante da minha vida: você.

8 leitores:

→ є∂y... ஐ ツ disse...

A ausência de alguns fatores (como o parágrafo), por mais que seja proposital, geralmente me irritam. Mas nem isso e nem nada conseguiu ofuscar o brilho de cada frase.
Tudo tem um ar tão ingênuo, tão puro, tão cheio de sinceridade.
Realmente fiquei emocionada em algumas partes. Não sei se senti isso por ter tido dias emotivos ultimamente... Fiquei e pronto.
Vou ler de novo e ficar ali 'dentro' por mais uns instantes.
Depois, ah depois... De volta à realiade! E a que eu vivo, o mocinho deixou de ser herói a muito tempo...

Dari

Melinda Bauer disse...

Se o nosso herói estava a fim de massacrar? Conseguiu! Me emocionei com a tua entrega! Muito corajoso se despojar de forma tão humilde! .......
Fiquei sensibilizada!

André disse...

Puts! Contei 997 palavras. Nao vou contar de novo. Eu confio em você!

Varotto disse...

999, segundo o Word.

Ana disse...

Eu apenas li.

Não contei qtas palavras eram.

Norma Lica disse...

Eu li. E chorei.

Daniela disse...

Quem dera todos os héróis fossem só um mocinho assim.

Leonor disse...

Eu li, não contei...
Mas amei

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates