27 de outubro de 2010

Correria

Atravessou a rua correndo desviando dos carros quase sendo atropelado por um ônibus e para piorar a chuva apertou o que tornava difícil ver qualquer coisa à sua frente mas mesmo assim ele continuou esbarrando nas pessoas e pedindo licença inutilmente chegando quase até mesmo a empurrar sem querer uma mulher que andava com uma sacola para cima de uma barraquinha de cachorro quente e pediu desculpa continuou correndo olhou para o relógio achou que não ia dar tempo e tentou correr mais rápido mas a chuva estava tornando a rua escorregadia e suas roupas cada vez mais pesadas e tirou a jaqueta preta que havia ganhado de natal e largou no meio da rua ficando apenas de camiseta sabendo que se tivesse parado para pensar não teria feito isso mas não tinha tempo de pensar e sentiu a chuva gelada batendo nos seus braços e encharcando seus ombros que ainda estavam secos e escorregou ao virar a esquina, perdendo o controle das pernas e tentando se agarrar a uma placa de trânsito

caiurolandonacalçadaquaseindopararnomeiodarua.

Levantou.

Esfregou uma mão ralada na outra.

Voltou a correr com todo mundo olhando para ele com todas as forças que tinha tem que dar tempo tem que dar tempo tem que dar tempo por favor meu Deus faça com que dê tempo e eu nunca mais te peço nada em troca e prometo que vou agradecer por isso todos os dias e deus respondendo fazendo um ônibus passar ao seu lado espirrando água de uma poça da rua na sua cara e ele esfregou os olhos rapidamente sem diminuir a velocidade o joelho começou a doer porque provavelmente tinha machucado quando caiu até que chegou à outra esquina

parou no meio da pista, esperando um carro passar.

Correu para trás de um ônibus para contornar o veículo com os passageiros o observando de forma curiosa pela janela sabendo que poderia passar por trás dele e foi o que fez, engolindo fumaça do escapamento.

parou, esperando a moto passar.

Disparou sabendo que estava quase chegando e sentiu o coração disparar e as pernas começarem a pedir arrego mas não poderia desistir agora não agora não hoje não tão perto não quando se tratava de algo assim porque mesmo se não desse em nada ele tinha que ao menos tentar ou passaria o resto da vida perguntando o que teria acontecido se tivesse ido olhou para o relógio e atravessou a rua sendo xingado pelos motoristas que desviavam dele e tinha consciência de que todos ao seu redor estavam o observando curiosos mas não deu atenção cambada de filho da puta porque não somem logo e não abrem caminho para mim mas ninguém sumiu e ele olhou no relógio mas não conseguiu ver as horas direito porque seu braço tremia e ele não queria correr o risco de diminuir a velocidade e perder tudo agora quando estava tão perto e sentiu o coração disparar quando viu a porta giratória da estação

diminuiu a velocidade enquanto girava a porta, ansioso, tentando ser mais rápido e entrou na estação.

Voltou a correr desta vez em direção à plataforma com água pingando da sua roupa e as outras pessoas assustadas abrindo espaço para ele

eescorregounopisolisoemolhadoecaiudecaranochão.

Levantou-se rapidamente e voltou a correr, sem dar atenção para o tombo e para as pessoas riram dele e começou a descer a escada com suas pernas tremendo e os pulmões pedindo um pouco de descanso


diminuiu um pouco


a velocidade no


meio da escada


para não cair


mas ao chegar no subsolo desatou a correr novamente até que finalmente a reconheceu mesmo ela estando de costas pois a reconheceria em qualquer lugar do mundo de qualquer forma que ela estivesse mesmo agora carregando as malas e agora estava correndo pela plataforma em direção ao trem na verdade apostando corrida com ele e gritando o nome dela alto com todos olhando para ele chegou ao lado dela junto com o veiculo que estacionava e abria suas portas e parou ao lado dela que surpresa olhou para ele.

Ele tentou falar, mas o ar não foi suficiente.

Não conseguiu. Não precisava.

Com força, abraçaram-se.

E o mundo parou.

6 leitores:

Tyler Bazz disse...

Demais!
A coisa é correr pelos parágrafos junto com ele, respirar só quando ele respira.

Tomara que ela valha a pena.

ladyjesus disse...

Ufa, se encontraram :)

Rob Gordon disse...

Mudei.

Agora ele desce a escada. Ficou melhor.

Ana disse...

Deu para ficar cansada lendo.

Muito bom. =)

Felipe Lopes disse...

Fiquei sem ar junto com ele hahah, ao menos ela quis abraça-lo também.

Jullia A. disse...

Inovando a ausencia de pontuacao.
Muito, muito bom.

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates