18 de janeiro de 2007

Os Pecados de Todos Nós

Confesso que sou fã assumido de uns 3 ou 4 pecados capitais. Apesar de servirem para dar um pouco mais de cor à vida das pessoas, eles devem ter sido criados graças a alguma politicagem entre o Céu e o Inferno e não exclusivamente para o filme do Brad Pitt, como poderia pensar alguma fã menos informada. Nada me tira da cabeça que assim que Moisés divulgou os 10 Mandamentos, o Diabo, enfurecido, mandou um e-mail indignado para São Paulo, o gerente de marketing do Céu, com cópia para Deus, reclamando que essas novas leis inibiriam seus próximos projetos e que o fato de ele não ter sido consultado antes foi altamente anti-ético.

É até fácil imaginar o departamento de marketing do Céu em reunião, logo após o recebimento do reply de Deus pedindo humildes desculpas e que algo haveria de ser feito a respeito. Quem começa é o diretor de marketing:

– Olha, é o seguinte. O pessoal lá de cima mandou a gente dar uma disfarçada nos 10 Mandamentos. Falaram que a coisa ficou pesada lá embaixo, ninguém gostou muito não, o Diabo ameaçou reclamar no sindicato.

– Mas agora não dá pra fazer mais nada, o Moisés já divulgou a coisa. Se a gente publicar uma errata vai ficar pior ainda, replicou um dos gerentes.

– Por que a gente não publica um adendo, do tipo “Não Matarás serve apenas de domingo a quarta-feira, e Não Cobiçarás a Mulher do Próximo antes das 21:00 horas? Se a gente fizer uma campanha legal, contratar uma modelo conhecida, tipo uma Luana Piovani, acho que pega e o Diabo se acalma.

– Podemos inclusive fazer uma parceria com alguma empresa que vende agendas. Acho que a coisa pega! disse um dos gerentes, que não via a hora de encerrar aquilo – afinal, era sexta-feira!

– Não gente, o Homem não vai deixar mexer nos mandamentos Dele. Ele passou o fim de semana mexendo nisso. E Ele quer algo para hoje!

– Pô, Ele cria o mundo em seis dias e acha que uma campanha de marketing sai, assim, em 10 minutos?

– Não adianta discutir isso agora. Tenho uma idéia, já que não podemos deixar as pessoas pecarem, vamos dar a eles a lista dos pecados realmente proibidos.

Ninguém entendeu nada, mas, também, ninguém se manifestou, já que a idéia tinha partido do diretor. Ele continuou:

– Vocês sabem como é o pessoal lá embaixo. É só dar a idéia e esperar. Lembram do case da maçã? Foi a mesma coisa. É só falar que não pode, que o povo lá de baixo faz. Só que, agora, em vez de maçã, vamos ser um pouco mais abrangentes.

– Tipo, frutas vermelhas?, perguntou o estagiário, que foi sumariamente ignorado.

– Basta apenas dar os pecados, continuou o gerente. Gula, Bangu na Final do Brasileiro, Luxúria, Forró, essas coisas...e dar tempo ao tempo. O Homem inventou o livre-arbítrio exatamente para isso. Com certeza, isso vai dar uma relaxada na lista de Mandamentos. Vamos enumerar os pecados principais e fazer uma lista. A gente produz um booklet e pronto, é só distribuir. Uns 6 ou 7 pecados já resolve.

Bom, se não foi assim, duvido que tenha sido muito diferente. Claro que depois da invenção dos pecados alguns ajustes ainda eram necessários. Quando a gula ameaçava sair de controle, bastava criar um novo tipo de verdura ou simplesmente criar uma nova campanha de marketing para promover o agrião. Já a luxúria exigia mais atenção. Graças a um intenso trabalho de espionagem industrial, para cada Deborah Secco ou Scheila Carvalho que o Diabo criava, o Céu respondia instantaneamente com uma Hebe Camargo ou Vera Loyola. O maior orgulho do Inferno é que os marketeiros do Paraíso, apesar de horas de estudo e inúmeros projetos fracassados, nunca conseguiram criar um equivalente ao maior desequilíbrio universal: a Jennifer Connely, cuja fórmula integral nunca foi descoberta.

Além disso, os sete pecados capitais sempre foram objetos de estudo aqui na Terra. Claro que, nós humanos, que, nas complexas relações entre Céu e Inferno ocupamos uma posição próxima da classe média, jamais poderíamos entender em sua plenitude o significado dos sete. Mas chegamos bem perto em alguns casos, como nas orgias romanas, onde foram inventados 27 novos pecados capitais – um conhecimento inestimável que, lamentavelmente, foi perdido através dos séculos. Existe também o caso de uma tribo de mouros que, após terem contato com os cristãos nas cruzadas, passaram a idolatrar os pecados capitais, e organizaram um festival anual para venerá-los. Cada guerreiro da aldeia tinha a missão de praticar os sete pecados capitais em apenas uma noite, mas o festival foi cancelado logo no primeiro ano, quando um guerreiro tentou colocar em prática a sua idéia de luxúria com a mulher do chefe da tribo, sendo morto a machadadas.

Porém, no meio da guerra entre Céu e Inferno, acredito que nós aprendemos a nos virar da melhor maneira possível. Expressões como “acho que vou aceitar só mais um pedacinho”, “eu não dormi até tarde, na verdade, peguei um trânsito infernal” ou a desesperada “Maristela, por favor, não é o que você está pensando!”, são provas da capacidade do ser humano de continuar praticando todo e qualquer pecado sem ofender a Igreja nem causar falatório na vizinhança. Ou seja, os pecados capitais acabaram virando verdadeiras instituições culturais. Ponto pro Diabo.

Isso apenas me faz pensar na razão de eles serem pecados. Afinal, não é errando que a gente aprende? Então, exijo o direito de errar! Duvido que os pecados sejam sete por acaso. O mesmo número de dias da semana, e as pessoas dizem que é coincidência? O pessoal que luta pela legalização da maconha, inclusive, devia direcionar sua energia para a liberação de um pecado por dia da semana. Alguns seriam meio óbvios, como a preguiça ganhar o domingo e a luxúria ficar com a sexta-feira. A ira tem toda a cara de segunda-feira, daquelas bem cinzentas. Quanto aos outros, deixo em aberto, especialmente porque definidos a preguiça, a luxúria e a gula, que qualquer churrascaria resolve, os outros estão aí apenas para cumprir tabela. Espero ansiosamente que o projeto caminhe para a frente e liberem logo pelo menos os principais (ou os mais divertidos, como queiram) da lista.

Aliás, falando nisso, alguém tem o telefone da Jennifer Connely por aí?

4 leitores:

Amelie disse...

ADOREI o texto!!!!

Isso me lembrou o livro Revolução dos Bichos, você leu?

Eles criaram algumas regras como "não beberás", e com o tempo foram mudando para coisas como "não beberás... em excesso".

Muito legal.

E cá para nós... alguns dos pecados são irresistíveis! hehehe

Abraço!

Amelie disse...

"Graças a um intenso trabalho de espionagem industrial, para cada Deborah Secco ou Scheila Carvalho que o Diabo criava, o Céu respondia instantaneamente com uma Hebe Camargo ou Vera Loyola."

Ótimo!!! hahaahahah

Lanark disse...

Hum... isso explica o porquê de eu nunca ter aprendido sobre os pecados capitais quando fiz catecismo! Faz pleno sentido!

E não acho boa idéia liberar todos os pecados, apenas esses três mesmo. Deus já destruiu cidades, organizou um dilúvio, criou pragas e ordenou tantas matanças e atrocidades que me dá calafrios só de pensar no que ele poderia fazer se a gente abusasse da sorte.

Mariliza Silva disse...

Ja que vc colocou a luxuria na sexta, pode colocar a gula no sábado da churrascada por minha conta!!!

Vou fazer campanha pra você escrever um livro, heim!!!!

Pense nisso!!!

Beijão de uma fã

Mariliza

 

Championship Chronicles © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates